3 de outubro de 2011

Uma Prece



Se eu não puder ser a árvore frondosa,
permita que eu seja o pequeno arbusto;
Se eu não puder ser o rio caudaloso,
permita que eu seja o pequeno regato;
Se eu não puder ser o rico palácio,
permita que eu seja a humilde choupana;
Se eu não puder ser a grande estrada,
permita que eu seja o estreito caminho;
Se eu não puder ser a exuberante rosa,
permita que eu seja a mais modesta violeta;
Se eu não puder ser a luz,
permita que eu seja ao menos um reflexo;
Se eu não puder ser o amor,
permita que eu seja, então, a amizade;
mas permita Senhor, que alguma coisa eu seja,
para que ao findar esta Vida, alguém se recorde
de mim, como uma alma humilde a serviço do Criador.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Espalhe por ai ...